sexta-feira, 18 de junho de 2010

Morre José Saramago, prêmio nobel de Literatura

por Cláudio Ricardo Silva Lima Júnior

Hoje, sexta-feira, 18 de junho de 2010, faleceu José Saramago, premiado escritor português, na sua residência de Lanzarote, aos 87 anos de idade, em consequência de falência múltipla dos órgãos, após prolongada doença.

Segundo o site oficial da Fundação José Saramago (http://www.josesaramago.org), o escritor morreu estando acompanhado pela sua família, despedindo-se de uma forma serena e tranquila.

Segue pequena homenagem, com curtos trechos da lavra do autor.

FRASES

"Gostar é provavelmente a melhor maneira de ter,
ter deve ser a pior maneira de gostar."

"Se tens um coração de ferro, bom proveito.
O meu, fizeram-no de carne, e sangra todo dia."

"Todos sabemos que cada dia que nasce é o primeiro para uns
e será o último para outros e que, para a maioria, é so um dia mais."

"Dirão, em som, as coisas que, calados,
no silêncio dos olhos confessamos?"

"Para temperamentos nostálgicos, em geral quebradiços, pouco flexíveis,
viver sozinho é um duríssimo castigo."

"Não tenhamos pressa, mas não percamos tempo."

"De que adianta falar de motivos,
às vezes basta um só, às vezes nem juntando todos."

"O que as vitórias têm de mau é que não são definitivas. O que as derrotas têm de bom é que também não são definitivas."

"Se podes olhar, vê. Se podes ver, repara."

"Dentro de nós há uma coisa que não tem nome, essa coisa é o que somos."

"O espelho e os sonhos são coisas semelhantes,
são como a imagem do homem diante de si próprio."

"Cada dia traz sua alegria e sua pena, e também sua lição proveitosa."

"Sempre chega a hora em que descobrimos que sabíamos muito mais do que antes julgávamos."

"Fisicamente, habitamos um espaço, mas, sentimentalmente, somos habitados por uma memória."

"Mesmo que a rota da minha vida me conduza a uma estrela, nem por isso fui dispensado de percorrer os caminhos do mundo."

"O talento ou acaso não escolhem, para manisfestar-se, nem dias nem lugares."

"Quem acredita levianamente tem um coração leviano."

"Há ocasiões em que é mil vezes preferível fazer de menos que fazer de mais, entrega-se o assunto ao governamento da sensibilidade, ela, melhor que a inteligência racional, saberá proceder segundo o que mais convenha à perfeição dos instantes seguintes.”

JOSÉ DE SOUSA SARAMAGO

Nenhum comentário:

Postar um comentário